Peptídeos de colágeno e envelhecimento da pele

Atualizado: 2 de Set de 2020

Envelhecer é um processo natural, e umas das causas do envelhecimento cutâneo é a ação aos raios ultravioletas sobre a pele, este processo complexo está relacionado com as reações bioquímicas e alterações morfológicas e funcionais da pele.



Além disso, alguns autores sugerem que com o avanço da idade, a pele passa a apresentar um importante declínio do conteúdo de colágeno, e a suplementação oral de peptídeos de colágeno pode ser benéfica para atenuar esta perda.


A literatura científica relata que a perda de colágeno, no período fértil da mulher, ocorre cerca de 1% ao ano e pode atingir mais de 30% no período pós-menopausa, e esta perda de colágeno é um dos principais marcadores do envelhecimento cutâneo.

Vale ressaltar, que os cuidados com a saúde e a estética devem começar pela alimentação. Uma dieta equilibrada e rica em substâncias benéficas ao organismo como proteínas, fibras, vitaminas e sais minerais, e é importante para a prevenção e o combate de muitas doenças, além de contribuir com a beleza e a saúde da pele.

No entanto, um estudo clínico avaliou 69 mulheres com idade entre 35 e 55 anos, demonstrou aumento da elasticidade da pele nas mulheres que suplementaram 2,5 a 5g de peptídeos de colágeno durante 8 semanas. Em outro estudo clínico, os mesmos autores mostraram diminuição das rugas periorbitais em 114 mulheres, com idade entre 45 e 65 anos, que consumiram 2,5g de peptídeos de colágeno durante 8 semanas.


Ainda, em outro estudo clínico, 105 mulheres saudáveis com celulite moderada e idade entre 24 e 50 anos ingeriram 2,5g/dia de peptídeos de colágeno bioativos durante 6 meses e diminuíram significativamente as ondulações da pele. Já, outro ensaio clínico randomizado avaliou 60 mulheres com idade entre 40 e 59 anos durante 12 semanas, demonstrou aumento da densidade de colágeno na derme nas mulheres que consumiram 10g de colágeno hidrolisado com alto teor de peptídeos de colágeno diariamente.