O silício nos alimentos

Atualizado: 2 de Set de 2020

O silício é o segundo elemento mais abundante na terra, ocupando 27,7% da crosta terrestre e é também um elemento encontrado nos alimentos como parte da dieta humana, e pode auxiliar na firmeza e elasticidade da pele e no aumento da síntese de colágeno.



No envelhecimento há redução significativa na síntese de colágeno pelos fibroblastos e de silício no organismo, mineral considerado fundamental na ativação das enzimas de hidroxilação, crosslinking de colágeno, prolina hidroxilase e ornitina aminotransferase, pois participa na indução de transcrição gênica deste tecido. Neste contexto, a privação de silício diminui a formação de colágeno do tipo I.


Para avaliar avaliar a presença de silício na composição química dos alimentos, foi realizada uma revisão bibliográfica nos periódicos disponíveis nas principais bases de dados em saúde, Medline, Lilacs, e Scielo, utilizando as palavras-chave, silício, composição dos alimentos, envelhecimento, pele, nos idiomas português, inglês e espanhol, considerando o período de 1991 a 2019.


Estudos demonstraram atividade do silício na neutralização de radicais livres, prevenção de reações de glicação avançada, mimetizador de fatores de crescimento celular e anti-inflamatório. Notou-se, que associado à vitamina C aumenta a síntese do ácido hialurônico, proteoglicanas e reduz o processo de destruição da matriz dérmica pelas metaloproteinases.


No entanto, o silício é um mineral com biodisponibilidade reduzida no organismo humano, pois se transforma em sílica ou silicato no trato gastroduodenal. Neste contexto, tornou-se relevante identificar a presença do silício na composição dos alimentos, devido seu consumo como suplemento alimentar estar relacionado com o aumento da síntese de colágeno e na redução do envelhecimento da pele.


Por meio desta revisão, observou-se que o silício está presente na água em diversas concentrações, pois como é derivado do desgaste das rochas, minerais e solo, também é abundante na crosta terrestre. Ainda, está presente em alimentos como farelo de trigo, centeio, aveia, arroz integral, arroz branco parboilizado, agrião, feijão-verde, espinafre, beterraba, banana, avelã e Equisetum arvense.


Entretanto, não foram encontradas recomendações dietéticas diárias de silício, porém foi estabelecida uma sugestão de 10 a 25 mg/dia, baseada na excreção urinária de 24 horas.

O presente estudo demonstrou a presença de silício na composição de alimentos, como cereais e grãos integrais, frutas e hortaliças, contudo, não foram encontradas recomendações dietéticas diárias de silício, porém foi estabelecida uma sugestão de 10 a 25 mg/dia, baseada na excreção urinária de 24 horas.


Assim, ensaios clínicos randomizados são necessários para avaliar a relação do consumo de alimentos fonte de silício com o aumento da síntese de colágeno e redução do envelhecimento da pele.


Este trabalho recebeu primeiro lugar ao pôster "O silício nos alimentos" no 6 Encontro da Escola das Ciências da Saúde da Universidade Anhembi Morumbi na cidade de São Paulo, Sp.

45 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

HOME     SOBRE     EVENTOS     BLOG     CONTATO

Vanessa Y. Suzuki | CNPJ 24.330.590/0001-89

E-mail: contato@vanessasuzuki.com.br

  • Preto Ícone LinkedIn
  • YouTube
  • Preto Ícone Facebook
  • Instagram
  • Preto Ícone Spotify

© 2020 Vanessa Yuri Suzuki ME | Todos os direitos reservados