Nutrição em estética: um olhar sobre a ciência à serviço da saúde da pele e da saúde mental


A atuação de nutricionistas em saúde e estética contribui com embasamento científico, nas áreas do conhecimento em que os alimentos se apresentam coadjuvantes para prevenir os efeitos do envelhecimento cutâneo, minimizar os efeitos das alergias e intolerâncias alimentares na pele, potencializar os procedimentos estéticos, em dermatologia clínica, em tricologia, na promoção da saúde e o bem-estar.



Com o passar do tempo, percebemos que os fatores ambientais, como poluição, agrotóxicos, fumo, álcool, sol em excesso, distúrbios do sono e humor, podem colaborar para o aumento de produção dos radicais livres, hipersensibilidade e envelhecimento da pele.


De acordo com a literatura científica, o envelhecimento cutâneo é um processo biológico que envolve fatores intrínsecos (envelhecimento celular natural e fatores genéticos constitutivos) e fatores extrínsecos (raios ultravioletas, agentes poluentes, agentes oxidantes, gravidade, entre outros). Sabe-se, que os antioxidantes podem agir diretamente na neutralização da ação dos radicais livres ou participar indiretamente de sistemas enzimáticos com essa função.


Não se pode evitar o envelhecimento, mas a alimentação torna-se um dos pilares fundamentais em contribuição na minimização de seus efeitos, pois o consumo de frutas e hortaliças (fonte de nutrientes e compostos bioativos com ação antioxidante e anti-inflamatória) auxiliam na nossa vitalidade, e podem minimizar os sinais do envelhecimento cutâneo e atuar na melhora da nossa imunidade, como mencionei neste artigo.


Além disso, também no ano de 2021 a convite da Revista Nutri Online, escrevi um breve artigo sobre os ecos da RESOLUÇÃO CFN Nº 689, DE 04 DE MAIO DE 2021 no mercado. Sempre menciono em aulas e palestras que a especialidade fez, faz e sempre fará parte de minha trajetória profissional, pois, além de empreender e atuar como consultora de inovação, por meio deste conhecimento há mais de 14 anos obtenho uma compreensão abrangente sobre os processos do corpo humano e, o mais importante, a intrínseca ligação deles com pele e a mente. E é essa ligação que me motiva como pesquisadora, comunicadora e mulher.


Diante disso, reforço que o comportamento alimentar deve ser objeto de estudo e prática, pois são muitas pessoas, principalmente mulheres, que se submetem a hábitos prejudiciais à própria saúde a favor de um padrão inexistente. Hoje em dia, possuo a possibilidade de repassar meu conhecimento para elas e fazê-las assimilar que a beleza e a saúde são companheiras de viagem na jornada em direção a uma vida plena e feliz.


Por isso, ao meu olhar, um dos pontos mais importantes para quem busca atuar nesta especialidade é a promoção da ciência à serviço da saúde da pele e da saúde mental.