Entenda o por quê, valorize com quem

Atualizado: 2 de Set de 2020

Muita gente se submete aos mais diferentes processos de coaching para entender ou buscar um propósito naquilo que faz. Como um de meus propósitos é impactar positivamente as pessoas e levar inovação e o desenvolvimento para o setor de nutrição, que é a área que pesquiso e estudo há mais de uma década, consegui ajudar a alavancar negócios junto a outros nutricionistas e profissionais do meu setor.



Sempre que alcancei minhas metas, aprendi algo fundamental em minha trajetória: entender as pessoas que eu atraio e os que fazem parte de minha “comunidade”, ou seja, peças fundamentais na minha vida, que me ajudam a crescer e evoluir integralmente e que não são, todas elas, de meu mercado ou setor de atuação. Portanto, sugiro que antes mesmo de entender qual ou quais são os seus propósitos, você deve pensar em quem está junto com você.


Além da identificação, são essas relações que nos desafiam ser melhores. E ninguém é dividido – age de uma maneira em casa e de outra no trabalho. Nós somos seres íntegros, inteiros; e nos desenvolvemos a partir das semelhanças que percebemos, portanto, vemos características, habilidades e competências que temos refletidas no comportamento do outro.


Os seus valores é que guiam essas escolhas e estabelecem redes de contato. Para ficar fácil de entender, posso falar da área que atuo como consultora. Novos produtos, novas patentes, e novos negócios são impulsionados pela ética que rege a cada um de nós. Mas, fazemos isso em grupos. Esses grupos nutrem ecossistemas de relacionamento. E todos são sempre de uma só natureza: pessoal.


Para que seja genuíno, você deve saber “porquê”, “por quem” e “com quem” você faz alguma coisa, os grupos ou comunidades que fazemos parte são também sistemas que nos acolhem. Ao nos tornarmos “pertencentes”, levamos parte do que aprendemos para nossas vivências pessoais e ainda evoluímos em aprendizado, técnicas e conhecimento de novas ferramentas, que nos movem profissionalmente. Entender essas dinâmicas ajuda a construir um ‘sistema bem alimentado’. E são estas estruturas que vão compondo bases sólidas de aprendizado e troca.